Venezuela (VE)


A Venezuela, delimitada pelo Brasil, Colômbia e Guiana, é o sexto maior país na América do Sul. Na fronteira com a Colômbia encontram-se os Andes venezuelanos.

Geografia:
A localização geográfica da Venezuela está no hemisfério norte. Sua fronteira está bem perto da Linha do Equador. O país é dividido em duas regiões: uma continental e outra insular, no Mar das Caraíbas. Possui uma grande diversidade de recursos naturais, energéticos e minerais; e, igualmente, na biodiversidade.

O país está na costa setentrional da América do Sul. Ao norte, está delimitado pelo Mar das Caraíbas (ou Mar das Antilhas). Com isto, partilha fronteiras com Trinidad e Tobago, com os Países Baixos (Antilhas Nerlandesas), Granada e E.U.A. (Porto Rico e Ilhas Virgens). Ao sul, divide 2.050 km de fronteiras com o Brasil; ao leste, está delimitado pelo Oceano Atlântico e pela República da Guiana; e ao oeste, por 2.250 km de fronteiras com a Colômbia.

Sua plataforma continental, localizada ao Norte e Noroeste do país compreende aproximadamente cerca de 18% do total da superfície continental e com uma presença marítima de 860.000 km2 . Em geral, compreende uma estreita faixa costeira com um baixo relevo, entre 0 e 100 metros sobre o nível do mar. E localiza-se entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa. Apresenta três depressões muito importantes: o Lago de Maracaibo (ao oeste), a Depressão de Unare (até ao extremo central nordeste) e a região do Delta do Orinoco ( ao leste), com terras baixas e paludes. Na zona costeira encontram-se os portos mais importantes do país: La Guaíra, Maracaibo, Puerto Cabello e Puerto La Cruz.

Estes território extenso expressam-se em uma superfície continental compacta, cuja distância máxima é de 1.493 km em direção leste a oeste; e de 1.271 km, em direcção de norte ao sul, o que contribui para facilitar a integração e coesão interna. Está articulado com amplas linhas de costa, que alcançam no Mar das Caraíbas uma fachada marítima de 2.183 km de comprimento, desde Castilhetes ao promontório de Paria. É de forma irregular e está constituída por numerosos goltos e baías, entre os que destacam os Golfos da Venezuela, Triste e Cariaco e mais de 314 ilhas e ilhotas de soberania venezuelana que chegam até ao norte até a ilha das Aves.

Montanhas e rios:
Junto à costa corre a «Cordilheira da Costa». Na fronteira com a Colômbia, tem-se os Andes venezuelanos. Ao sul das montanhas, expandem-se as grandes planícies - os Llanos - em cujo flanco sul forma-se o rio Orinoco. A região Amazónica e a região da Guiana estão ao seu sudeste. Aqui, bem ao sul da Venezuela, dá-se um fenómeno geográfico único no mundo - o Braço Casiquiare - um «canal» natural entre o Orinoco, o rio Negro e o Amazonas, de forma que o enorme areal entre o Orinoco, Amazonas e Atlântico formam uma ilha enorme. Alexandre von Humboldt, já no século XIX, foi o primeiro a notar a variação no nível das águas no Braço Casiquiare: se o nível das águas é maior no norte, estas fluem para o Orinoko; se é maior no sul, estas fluem no rio Negro. No sudeste encontram-se as formações rochosas mais antigas do mundo: o Maçico das Guianas, onde está também a cachoeira mais alta do mundo - o «Salto do Anjo», com 972 metros de altura.

Clima e melhor época para visitar:

Tropical : do nível do mar até 800 metros. A temperatura média anual está entre 22°C e 29°C. Um exemplo deste clima encontra-se em Maracaibo (árido), Barquisimeto e Valência (semi-árido).
Intertropical quente de montanha: entre 800 e 1.500 metros (média anual está entre 18°C e 22°C). O clima próprio de Caracas, São Cristóvão e Los Teques.
Intertropical temperado de montanha: entre 1.500 e 2.800 metros (entre 14°C e 18°C). Exemplos são Mérida e a Colónia de Tovar.
Clima temperado: acima de 2.800 metros. As temperaturas estão abaixo de 14°C, mas acima de 0°C. Exemplos seriam as localidades de San Rafael de Mucuchíes y Apartaderos.
Clima frio: nos picos com mais de 4.700 metros, com suas neves perpétuas, as temperaturas estão abaixo de 0 °C.

Idioma:
O idioma oficial é o espanhol e os idiomas indígenas, isto significa que cerca de trinta línguas são reconhecidas. Contudo, faladas por poucos pessoas. Em seu todo, cerca de 1% da população venezuelana. Além destes idiomas, são falados ainda; o árabe, o italiano, o português, o alemão, o inglês, o chinês, o galego entre outros.

Saúde e vacinação:
A rede de saúde pública não é de muita qualidade. Os preços são elevados nas clínicas e hospitais privados onde exigem garantias de seguro de doença, que oferecem cobertura em efectivo ou cartão de crédito. Em certas zonas rurais há o risco de paludismo e os casos de dengue são elevados no país. Não existem maiores problemas na grande Caracas, no arquipélago turístico da Ilha Margarita, e no arquipélago de Los Roques. Como a Venezuela é um país tropical húmido existe a possibilidade de contágio por mosquitos, de malária, dengue e febre amarela, mas unicamente em zonas selváticas e remotas, como o Estado do Amazonas. Recomenda-se a que o viajante consulte seu médico de família para informar-se quanto às profilaxias, nomeadamente no que respeita à malária. É aconselhável a vacinação contra a cólera, a febre tifóide. No caso da malária pode constituir um risco de contracção daquela doença visitas aos Estados do Amazonas, Apure, Barinas, Bolívar, Sucre, Tachira e Delta Amacuro.
É recomendável a vacina febre-amarela em caso de deslocação às zonas da selva amazónica. É aconselhável beber água mineral engarrafada e evitar consumir alimentos que se vendem nos postos ambulantes.

Ingresso:
Os cidadãos portugueses deverão apresentar: passaporte válido no mínimo por seis meses. Actualmente não há exigência de visto para o turista, cuja estada não ultrapasse aos 90 dias. Durante a aterragem são distribuídos cartões de turista ao visitante com validade para 90 dias. O original será retido no aeroporto e sua cópia deverá ser entregue na saída. Há possibilidade de prorrogação deste visto para mais 90 dias na Venezuela, mediante o pagamento de uma taxa. Para visitantes menores, recomenda-se que portem seus passaportes individuais com foto.
Para maiores informações a respeito de recentes determinações legais quanto à vacinas, entrada e segurança, informe-se junto ao consulado ou no seguinte enlace: http://www.embavenezuela.pt/seccion_consular/seccion_consular.html ou Embaixada da Venezuela - Secção Consular - Rua Rodrigo de Fonseca, Nº. 82 - 1ª Esquerda - Lisboa.
Telefones:(00351) 213 861 648/ 213 861 567 / Fax:(00351) 213 861 083.

Chegada e escalas:
A TAP Portugal oferece voos regulares de Portela do Sacavém, de Funchal ou do Porto para Maiquetía (Caracas) e de Maiquetía, para Lisboa, Funchal e para o Porto.


Capital:
Caracas, como a capital é uma cidade muito diversa com grande quantidade de parques, praças, arquitecturas moderna e colonial, igrejas e catedrais. É uma cidade cuja história revela-se em suas construções históricas que se mantiveram durante os séculos. Uma destas construções é a casa natal de Simón Bolívar, com mais de 200 anos. Outras que ainda se mantiveram são o Palácio das Academias, a Casa de Campo de Guzmán Blanco e o Palácio Miraflores.

Atrações turísticas e praias:
Merecem ainda ser visitados: a catedral de Caracas, a primeira da capital, do ano de 1.641. Ali foi batizado Simão Bolívar. Também a sinagoga Tiféret Israel, o maior templo judeu do país; a mesquita Ibraim Al-Ibraim, a segunda maior mesquita do continente. A igreja de São Constantino e Santa Helena, um dos 15 templos deste tipo no mundo - e um dos dois únicos que existem fora da Roménia; esta igreja foi doada pela igreja ortodoxa romena e pelo governo da Roménia. E também a igreja de São Francisco, onde Bolívar recebeu o título de Libertador.
Em Caracas existem muitas praças bonitas: a Praça Bolívar, a maior da cidade, em cujo derredor encontram-se a Catedral de Caracas, o Palácio Municipal e o Museu Sacro. A Praça da França é considerada a mais turística da capital que tem um obelisco imponenete e jardins muito bonitos. Outros sítios de interesse para o turista: o Museu de Belas Artes, o Museu de Ciências, o Museu de Arte Contemporánea de Caracas e a Galeria Nacional de Arte, desde 2.008 é a maior da Venezuela.

Religião:
85% da população venezuelana é católico-romana. A constituição da Venezuela resguarda a liberdade religiosa, o que torna o país tolerante face a outras religiões. Há ainda várias igrejas protestantes (12%) e pequenos grupos de judeus (sobretudo em Caracas e Maracaibo) e muçulmanos. Alguns índios ainda praticam as suas religiões ancestrais.
À semelhança do que acontece em outros países da América Latina praticam-se na Venezuela cultos que são uma fusão de elementos das religiões indígenas, da religião dos descendentes dos escravos africanos e do catolicismo, como o culto de María Lionza.

Cidades grandes:
Caracas, Valência, Marcaibo.