Usbequistão (UZ)


O Usbequistão é o país mais populoso da Ásia Central e condivide suas fronteiras com o Cazaquistão, o Quirguistão, o Tajiquistão e o Turquemenistão.

Geografia:
A maior parte do Usbequistão é ocupada por regiões desérticas, que estendem-se do Mar de Aral ao nordeste por cerca de 1.200 km até à planície fertil de Ferghanatal, ao leste. Ao sul do Mar de Aral estende-se o deserto de Kysylkim, na depressão de Turam. Este deserto ocupa cerca de 40% da superfície do país e prossegue no território do Cazaquistão. Este relevo grande e seco é interrompido somente por alguns restos de maciços, tal como a cordilheira de Gora Aktau, cuja altura máxima é de cerca de 1.000 metros.

Montanhas e rios:
O Gora Beshtor é o monte mais alto do Usbequistão, na fronteira com o Quirguistão e o Cazaquistão. O Amu Dária é o maior rio do país, que tem uma extensão máxima de 2.539 km e desemboca no Mar de Aral. O Mar de Aral é o maior lago do país com uma superfície de 43.000 km², que lenta e continuamente está a reduzir-se devido ao cultivo intensivo de algodão durante a era soviética e à salinização daí resultante.

Clima e melhor época para visitar:
No Usbequistão, o clima é um clima de deserto extremamente continental, que é marcado por invernos muito curtos, mas muito frios. À relativamente breve primavera segue-se um verão muito longo e extremamente quente, que por sua vez, passa a um outono quente, mas bastante agradável. Por causa do calor continental muito forte do verão, recomendamos que a visita seja feita na primavera ou no outono.

Idioma:
O idioma oficial é o uzbeque. Contudo, o russo e o tajique são compreendidos em todas as partes. Nas cidades grandes pode-se comunicar também em inglês.

Saúde e vacinação:
Para a entrada no país não obrigatoriedade de vacinação. Atenção ao viajar entre Abril e Outubro, pois é o período das carraças, que escondem-se em relvados e arbustos e transmitem a perigosa borreliose de Lyme. Aconselham-se igualmente roupas que cubram todo o corpo e repelentes contra estes insetos adquiridos no próprio Usbequistão. Recomendamos também a vacinação contra hepatite A. Somente em grandes cidades e em centros turísticos estão assegurados serviços de assistência médica, conforme os padrãos europeus. É importante possuir um seguro de saúde válido em todo o mundo e que assegure explicitamente a repatriação do Usbequistão ou a transferência para um outro país, em casos de emergência. Além disto, recomendamos o consumo de água engarrafada; os frutos devem ser descascados e as verduras e legumes deverão ser cozidos. Visto haver perigo de infecção, deve-se portar também um pequeno kit de remédios consigo.

Entrada no país:
É necessário dispor de visto de turista para entrar no país. Este deverá ser solicitado pessoalmente ou por correio junto à embaixada do Usbequistão. Não se esquecer de que a validade do passaporte deverá ser no mínimo seis meses. Aos visitantes menores de idade recomendamos que estejam munidos com passaporte individual e fotografia. Mas se este estiver inscrito no passaporte de um dos genitores que o acompanhe durante a viagem, ser-lhe-á garantida a entrada no país. Para maiores informações a respeito de recentes determinações legais quanto à vacinas, entrada e segurança, informe-se junto ao consulado ou no seguinte enlace: 3, Av. Franklin Roosevelt - 750078 Paris
Tel.: 003 315 383 807 0 - Fax: 003 315 383 807 7 / www.oaric.com/ouzbekistan.htm (actualmente em construção)

Chegada e prosseguimento da viagem:
Por via aérea, o país (Tashkent) é acedido com a companhia aérea nacional Uzbekistan Airways (HY), a partir de Frankfurt (FRA). Mas também outras companhias, tais como a Lufthansa (LH), a Pakistan International Airlines e a Turkish Airlines oferecem voos directos a partir de suas bases. A Uzbekistan Airways oferece voos baratos a partir de Tashkent para Samarcanda (SKD), Nukus (NCU) e para Barking Sand (BKH). Mas, deve-se reservar voos in loco, pois são mais baratos.

Capital:
Tashkent, a capital do Usbequistão está em um vale do rio Tschirtschik, próximo à fronteira com o Cazaquistão. Sua população oé de 2 milhões de habitantes. A capital do Usbequistão foi destruída por um terramoto devastador em 1966. Durante a reconstrução da cidade muitas construções antigas foram substituídas por modernos edifícios pre-modelados em estilo soviético em alamedas largas e que marcam a imagem da cidade. Tashkent também é a cidade com mais água em todo o país, o que explica os inúmeros parques verdes e fontes na cidade. Também merece ser visitado ainda na cidade velha a Kukeldasch-Medresa e o mausoléu de Shah Kaffali, que ainda encontram-se em excelente estado, muito embora o terramoto que sofreram. Tashkent é desde a Idade Média um bom ponto de partida para excursões à legendária rota da seda, onde estão as famosas cidades de Samarcanda, Xiva, Buchara - marcadas por uma arquitectura maravilhosa e única para a Ásia Central.

Atrações turísticas:
O Usbequistão está no centro da região desértica da Ásia Central e possui cidades magnificentes como Samarcanda, Xiva e Buchara que já na Era Soviética foram visitadas por grupos de turistas ocidentais. O potencial turístico do país na rota da seda para a China é imenso e está a ser reconstruído pelo governo desde a idependência em 1991.

Samarcanda - com cerca de 2.500 anos - é a cidade por onde passavam as caravanas e viveu seu apogeu no século XIV. A cidade ainda é marcada por majestosas construções islâmicas, que são o testemunho de um passado glorioso de fama e riqueza desta cidade. Ali, merecem ser visitados - principalmente - as duas Medressen Sher-Dor e Tilya-Kori, bem como o planetário Uluh Beg estão na praça de Registan e são exemplos de obra-de-arte arquitectónica uzbeque. Vale também a pena visitar os mausoléus de Hodja-Abdu-Darun e de Gur-Emir, bem como a mesquita de Bibi-Khanum. Todos construídos entre o século XIV e XVI. Actualmente, figuram na lista do património da humanidade da UNESCO.

A cidade, localizada em um oásis, próxima à fronteira com o Turquemenistão foi também um importante centro na rota da seda. Era, antigamente, o último ponto de descanso para as caravanas antes da travessia pelo deserto até à Pérsia. Toda a cidade é cercada por um muro muito muito grande e com cerca de 10 metros de altura. Em seu interior guarda verdadeiros tesouros de arquitectura persa. Xiva foi fundada no século VI e, devido à sua localização na rota da seda, teve uma importância estratégica o que torna-se visível ainda hoje através dos edifícios do passado e onde sonhos românticos de viajantes ao oriente tornam-se realidade. Desde 1990, a quase inabitada Xiva tornou-se cidade-museu, protegida pela UNESCO. Merece ser visitado ainda o palácio Tasch-Hauli, a cidadela Kunja Ark e os vários madraçais, mesquitas e mausoléus, que reluzem especialmente durante o pôr-do-sol e quando os diversos ornamentos ganham um brilho total.

Imperdível:
A cidade mais majestosa e bela, por onde passavam as caravanas, é Buchara, que está ao sudeste do deserto de Kysylkum e é considerada uma das cidades mais antigas da Ásia Central. Buchara sempre desempenhou um papel importante e foi destruída por conquistadores. Ela possui mais de 140 construções ainda bem conservadas. A cidade velha de Buchara parece um enorme museu ao ar livre e é uma das cidades muçulmanas mas bem conservadas do mundo islâmico. Há várias vielas labirínticas, uma caravançarai e um bazar pitoresco, em que os comerciantes vestidos tradicionalmente oferecem suas mercadorias. E merece ainda ser visto o mausoléu famoso de Ismail-Samani, do século X e a mesquita Kalyan, do século XII, com seu minarete com 47 metros - este o verdadeiro marco de Buchara. Mas muito bonito também são as madraças Mir-i-Arab e Abdul-Aziz, construídas no século XVI, que são únicas na Ásia Central por causa de sua ornamentação.

Religião:
88% dos usbeques praticam o islão sunita; mas também há uma minoria de 9% de cristãos ortodoxo-russo, bem como judeus, budistas e seguidores dos ensinos de Krishnas.

Cidades grandes:
Tashkent, Namangan, Andijon, Samarqand, Buxoro, Nukus, Qarshi, Qo´qon, Chirchiq, Farg´ona, Jizzax e Urganch.