Sudão (SD)


O Sudão, é o maior país do continente africano em superfície e está ao nordeste do continente e com saída para o Mar Vermelho. O Sudão está delimitado pelos seguintes países: Egipto, Etiópia, Eritréia, Quénia, Uganda, Congo, República Centro Africana, Chade e Líbia.

Geografia:
Uma grande parte do Sudão é determinada pelas margens exteriores dos desertos líbios e núbios que vão até Cartum. Fora das margens do Nilo Azul e do Nilo Branco e em alguns oásis, esta área é seca. Depois da província de Cartum, a paisagem transforma-se em uma savana seca, coberta por arbustos e, finalmente, no sul limita-se em uma savana aberta. A leste, a savana aberta é principalmente plana; na parte ocidental do país, em contra partida, eleva-se em 2 platôs altos, onde encontra- se o Mount Kinyeti com 3.180 metros de altura, na fronteira com o Quênia.

Rios:
O maior rio e a artéria principal deste país seco é o Nilo, que compõe-se do rio Nilo Azul e rio Nilo Branco e flui em direcção ao Egito.

Clima e melhor época para visitar:
Climaticamente, o Sudão está na zona de transição de clima subtropical para o clima tropical. Temperaturas altas e secas marcam principalmente o sul. O clima de deserto quente marca o sul do país, pode chegar até cerca de 40° C e durante à noite, a cerca de 4° C. Enquanto no período das monções, entre Abril e Novembro, a queda de pluviosidade é muito diferente. Enquanto no sul, neste país podem cair chuvas fortes; ao norte, quase não chove e fica relativamente seco. Também aqui sopra um vento quente do deserto.

Idioma:
O idioma oficial é o árabe sudanês. Além deste idioma são falados outros idiomas africanos, bem como o inglês como língua da escola.

Saúde e vacinação:
Recomenda-se a vacinação contra hepatite A, tifo, poliomielite, difteria e tétano. Recomendam-se igualmente roupas que cubram todo o corpo e repelentes contra moscas e insetos que transmitem enfermidades viróticas. No Sudão, no entanto, só há alta e média possibilidade de contracção de malária durante todo o ano, nos meses de chuva. Por favor, informe-se, atempadamente, junto ao seu médico de família sobre possíveis profilaxias da maláfria. Somente em grandes cidades e em centros turísticos estão assegurados serviços de assistência médica. É importante possuir um seguro de saúde válido em todo o mundo e que assegure explicitamente a repatriação do Sudão em casos de emergência. Além disto, recomendamos o consumo de água engarrafada; os frutos devem ser descascados e as verduras e legumes deverão ser cozidos. Visto haver perigo de infecção, deve-se portar também um kit de medicamentos consigo.

Entrada no país:
É obrigatório o visto de entrada no Sudão, não sendo possível obtê-lo à entrada do país. O visto deverá ser solicitado previamente na representação diplomática do Sudão. O cidadão deverá apresentar seu passaporte com validade mínima de seis meses. O visto vale no máximo por 30 dias a partir da data de emissão. Atenção! No passaporte não deve haver um carimbo israelense ou visto de Israel. Além disto: é terminantemente proibido portar consigo álcool, produtos suínos e revistas pornográficas. Os turistas menores devem portar consigo passaporte de menores individual com foto. Mas o menor poderá ingressar no país se estiver registrado no passaporte de um dos genitores.

Chegada e prosseguimento da viagem:
Actualmente, de Lisboa (LIS) há somente voos indirectos para Cartum (KRT) oferecidos pela TAP Air Portugal (TP) via Barcelona (BCN), Cairo (CAI), Egyptair (MS); pela TAP Air Portugal (TP) em code share com a Egyptair (MS) e Ethiopian Airlines (ET) via Cairo (CAI); pela Iberia (IB) e Egyptair (MS) via Madrid (MAD) e Cairo (CAI).

Capital:
A região metropolitana de Cartum, a capital do Sudão, abrir mais de 8 milhões de habitantes. Com isto, é uma das maiores cidades da África. Entre as atracções de Cartum são as catedrais católicas e anglicanas; o museu nacional com objectos do reino de Kusch; o Suq Arabi, um mercado árabe-oriental, povoado com comerciantes e objectos de arte.

Atrações turísticas e praias:
O Sudão é um país com um passado cultural antigo e foi uma província dos reinos dos farós. No país encontram-se vários sítios arqueológicos, que espalham-se em por toda a margem do Nilo. Os sítios arqueológicos mais importantes e interessantes estão fora da capital, nas margens do Nilo. A estas ruínas estão Bjrawiya, Naga, Musawarat, El Kurru, Nuri e Meroe. Infelizmente, devido à difícil situação política, não foram ainda declarados património da humanidade da UNESCO. Somente a montanha Barkal foi declarada pela UNESCO como património da humanidade. Ali encontram-se resquícios de um templo egípcio consagrado ao deus egípcio Amun, de um palácio e muitas pirâmides.

E muito bonito é ainda o parque nacional de Dinder, na fronteira com a Etiópia, que foi fundado já em 1935 durante o domínio colonail britânico. É um dos maiores parques nacionais da terra e abriga muitos tipos de animais diversos. Há excursões organizadas de Cartum durante a alta estação, entre Dezembro e Abril.

Uma outra atracção do Sudão é, inedubitavelmente, o Mar Vermelho - suas característica principal são águas claras e um mundo submarino mágico. Para uma praia, recomendamos Port Sudan, que possui uma flora sempre verde e é famosa por arrecife de corais.

Religião:
O islão é a religião oficial do Sudão. Somente 5% da população sudanesa são cristãos.

Cidades grandes:
Omdurman, Cartum, al-Cartum Bari, Nyala, Bur Sudan, Kassala, al-Ubayyid, Custi, Wad Madani e al-Qadarif.