República do Congo (CG)


  • Land República do Congo
  • Continente: África
  • Área: 342,000 km²
  • Habitantes: 3,900,000
  • Capital: Brazzaville
  • Código ISO: CG
  • Idioma oficial: francês
  • Prefixo: +242
  • Moeda: franco CFA
  • Matrícula automóvel: RCB
  • Outras denominações: Congo
  • Rotas de República do Congo: 518
  • Rotas para República do Congo: 466
  • Aeroportos mais procurados: Brazzaville (BZV), Pointe Noire (PNR)
  • Cidades grandes: Brazzaville, Pointe-Noire, Dolisie, Nkayi, Owando, Ouésso, Loandjili, Madingou, Gamboma, Impfondo, Sibiti, Mossendjo, Kinkala, Makoua, Djambala
  • Companhia com sede em República do Congo: Trans Air Congo

A República do Congo faz fronteira com o Gabão, os Camarões, a República Centro-Africana, a República Democrática do Congo (Zaire), Cabinda (enclave de Angola) e o Atlântico. E ao leste e sudoeste pelo Congo e por seus afluentes Ubangi.

Geografia:
O Congo encontra-se ao noroeste da Bacia do Rio Congo que também forma a fronteira com a República Democrática do Congo. O Rio Congo e seu afluente, o Rio Ubangi são a froneita ao leste e ao sudeste com a República Democrática do Congo, cuja capital, Kinshasa, encontra-se na margem oposta do Rio Congo, diante de Brazzaville, a capital da República do Congo. Este país ocupa uma área de 323.000 km ². A faixa costeira é coberta com pequenas lagoas de areia e manguezais e atinge cerca de 1.040 metros de altura, na fronteira com o Gabão. Mais da metade da superfície do país é coberta pela floresta tropical. Ao nordeste, nas adjacências dos rios Ubangi e Sang há muitas áreas pantanosas, alimentadas pelas águas destes rios e do Rio Congo. 70% da população vive em Brazzaville, Pointe Noire ou ao longo da ferrovia que liga estas duas cidades.

Montes e rios:
Os rios são muitas vezes o único meio de ligação com o interior do país. O Rio Congo é navegável no interior, na zona onde se encontra Brazzaville, a capital. O Rio Niari corta um vale fértil, que é a principal zona agrícola. Entre os maciços, encontram-se as montanhas Mayombe que alcançam apenas alturas de 550 metros. Ao norte, encontra-se a Região do Planalto Central, chamado Batéké Plateau. O ponto culminante da República do Congo é o Mount Nabeba, com cerca 1.020 metros, próximo à fronteira com os Camarões. Ele é seguido pelo Mount de La Lékéko, com 1.000 metros; e pelo Mount Berangou, com cerca de 900 metros.

Clima:
Como a República do Congo encontra-se em ambos os lados da Linha do Equador, predomina no país o clima tropical. De Janeiro à metade de Maio é longa estação das chuvas; e de Outubro a Dezembro, tem-se a breve estação de chuvas. O melhor período para visitar-se é durante a seca seca, de Junho a Outubro. Durante as estações de chuvas, muitas estradas são intransitáveis.

Idiomas:
O idioma oficial é o francês, mas as línguas de uso comum são o Lingala, Kigongo e Kituba. No entanto, para visitar o país, o conhecimento de francês é indispensável.

Saúde:
A situação da saúde é muito precária e não deve-se fidar do atendimento médico local. É obrigatório a vacina contra a febre amarela para entrar no país. Em princípio, recomendam-se as seguintes vacinas antes da viagem: tétano, difteria, meningite, poliomielite, hepatite Ae B, raiva e febre fitóide. O risco de contração de malária é elevado e generalizado em todo o território: a malária trópica é generalizada em todo o país, mas pode ser fatal se não tratada imediatamente. Recomenda-se que o passageiro proceda à profilaxe anti-malária. Outras doenças transmitidas no país são a diarreia, a cólera e a esquistossomose. É altamente recomendável que se faça um seguro privado de saúde que inclua além da assistência média local e também o repatriamento via aérea ou a transferência para um outro país. O passageiro deverá levar consigo um kit de primeiros-socorros. Deve-se consumir somente frutas lavadas e descascadas e legumes cozidos; beber água engarrafa e sem gelo. Para proteger-se contra insetos, deve-se usar camisas com mangas compridas e repelentes e dormir em camas com mosquiteiros.

Entrada:
É obrigatória a vacinação contra a febre amarela, documentada no boletim internacional de vacinação. Além disto, o passageiro deverá apresentar um passaporte com validade de até 6 meses. Para obter o visto, por favor, dirija-se ao Setor Consular da Embaixada da República do Congo, em Paris. No caso de viagem de menor de idade, contacte a referida embaixada atempadamente, para obter informações detalhadas e atualizadas.

Transporte:
O Aeroporto Internacional de Brazzaville encontra-se a cerca de 4 km ao noroeste da capital, a qual está ligada por meio de táxis. Não há ligações diretas com Portugal. Para chegar ao Congo, o passageiro deverá tomar um voo até o Aeroporto Paris-Charles de Gaulle, onde há voos duas vezes por semana para Brazzaville com a Air France. Além desta alternativa, o passageiro poderá tomar um voo até Roma-Fiumicino e de lá, até Adis-Abeba com a Ethiopian Airlines e de lá, até Brazzaville. Como último recurso, pode-se voar até Kinshasa, na República Democrática do Congo, onde há ferries para Brazzaville.
À exeção da linha ferroviária que liga Pointe Noire e Brazzaville, em 500 km, não há ligações ferroviárias de longa distância. O trajeto é percorrido em 23 horas. O transporte no interior do país é feito em automóvel ou avião. As companhias aéreas privadas locais são a Aeroservice TAC que usa aviões soviéticos antigos para Brazzaville, Pointe Noire, Dolisie e Nkayi. Os automóveis em circulação, em geral, são antigos e nada confiáveis. Além disto, as estradas não são iluminadas e por onde circulam veículos sem farol, animais e pessoas. Durante os períodos de chuvas, as estradas podem tornar-se intransitáveis. Somente 1.000 km de estradas em todo o país são pavimentadas.

Capital
:
Brazzaville tem cerca de 800 mil habitantes e está localidada na Região de Malebo Pool que é um alargamento do Rio Congo. A cidade era muito próspera antes da eclosão da Guerra Civil, em 1997. Atualmente, estão em construção novos hotéis e restaurantes. Mas a atração da cidade são os mercados ao ar-livre. Principalmente, o Marché Total, de onde se pode degustar os vários sabores da cozinha local. No mercado Marché Turistique são oferecidos objetos de arte, esculturas esculpidas em madeira, máscaras e tecidos. Outros mercados que merecem uma visita são: Moungali, Poto; Poto e Bacongo. Além disto, há edificações interessantes como a Basílica de Sainte Anne do Congo, de 1949 e a Mesquista do Templo; além da Catedral do Sagrado Coração, a Sacre Coeur, de 1894, que é o edifício mais antigo da cidade. Desta catedral pode-se admirar Kinshasa e Brazzaville. E merece ainda uma visita, o palácio presidencial, Palais du Peuple, em um palácio colonial construído em 1901; o monumento de Pieto Paolo Savorgnan di Brazzà, um italiano de Udine, que explorou o Rio Congo em nome da França e governador do Congo francês.

Excursões:
O Rio Congo, a um certo ponto, divide-se em dois rios que correm em torno a uma ilha e depois confluem em um único rio, onde encontra-se Brazzaville. A ilha, chamada Ĩle Mbamou ou Mbamou Island, encontra-se completamente dentro do territorio da República do Congo. Nesta ilha, há banheiros destinados àqueles que desejam nadar no rio ou oferece a possibilidade de compra de bebidas e lanches.

O Congo é o país dos gorilas da montanha, que podem ser admirados na Reserva Lesio Louna, esta com uma área de 45.000 hectares. Esta zona consiste de um mosaico de savanas, florestas tropicais, com mais de 45 espécies de plantas, que são a base alimentar dos gorilas. Ali, os pequenos gorilas salvos de contrabandistas foram libertados na selva da reserva, onde cresceram e constituíram sua própria família de gorilas. Saindo de Brazzaville, pode-se ir e retornar no mesmo dia ou pernoitar em recintos próprios aos turistas, próximos à reserva.

Os amantes da pesca não devem perder a emoção de pescar no Rio Congo, na esperança de que o terrível peixe-tigre morda sua isca. Este peixe é uma truta enorme, medindo mais de um metro de comprimento e pesando alguns quilinhos. Seu nome deriva provavelmente dos dentes afiados que possui. O local ideal para ter esta experiência é o «Goliath Tiger Fisch Camp», a cerca de 120 km ao norte de Brazzaville, em barco. Há quatro bangalôs com ar condicionado e banheiro privativo.

No Parque Nacional de Odzala, ao noroeste do país e, infelizmente, de difícil acesso, é um dos mais interessantes do mundo e o mais conhecido por seus gorilas, elefantes e chimpanzés. Os elefantes do parque são uma subespécie do elefante africano, vindo "apenas" a medir 2,8 metros de altura e pesando cerca de 5 toneladas. A visita ao parque prevê longas caminhadas na floresta tropical e, portanto, desaconselhada àqueles que não estejam em condições de saúde.

Resorts:
O único resort balnear e, ao mesmo tempo, a localidade mais turística do Congo é a cidade de Port Noire, no Oceano Atlântico. Esta localidade possui muitas praias, bares e restaurantes. Lá os congoleses mais abastados e estrangeiros residentes no Congo passam seu fim-de-semana.

Religião:
47% da população pratica religiões da natureza, 40% são católicos romanos, 10% protestantes, 3% mulçumanos.