Omã (OM)


  • Land Omã
  • Continente: Ásia
  • Área: 309,500 km²
  • Habitantes: 4,013,391
  • Capital: Mascate
  • Código ISO: OM
  • Idioma oficial: árabe
  • Prefixo: +968
  • Moeda: rial
  • Matrícula automóvel: OM
  • Outras denominações: Omã, Omão
  • Rotas de Omã: 716
  • Rotas para Omã: 744
  • Aeroportos mais procurados: Mascate - Seeb (MCT), Salalah (SLL), Mukhaizna (UKH), Duqm (DQM), Sohar (OHS), Khasab (KHS)
  • Cidades grandes: Mascate, As Sīb, Salalah, Bawshar, Suhar, As Suwayq, `Ibrī, Saham, Barkah, Rustāq, Buraimi, Nizwá, Sur, Bahla', Al Khābūrah
  • Companhia com sede em Omã: Oman Air, SalamAir

O Omã, na extremidade oriental da Península Arábica, condivide suas fronteiras ao norte com o Estreito de Ormuz; ao leste, com o Golfo de Omã; ao sul, com o Mar da Arábia. Suas fronteiras comuns são: com os Emirados Árabes Unidos, a Arábia Saudita e o Iémen. Além disto, pertencem ainda ao território do estado de Omã o enclave de Musandam, no estreito de Ormuz e Madha, no Golfo de Omã, bem como pequenas ilhas no Mar da Arábia.

Geografia:
O Omã é um estado desértico e montanhoso ao mesmo tempo. Possui desertos de pedra, dunas de areia, imponentes cordilheiras montanhosas, oásis verdes e praias longas no Mar da Arábia e o Golfo de Omã. A maior parte do território do estado é dominada pelas extensões do deserto Rub al-Khali, oriundo da Arábia Saudita e do Iémen, que adentra-se por muitos quilómetros no Iemen, caracterizando a parte ocidental do país. Ao norte do Sultanato, paralelamento ao Golfo de Omã, o maciço montanhoso de Al Hajar Al Gharb constitui uma fronteira natural com as zonas mais secas do país. Neste maciço está também o ponto culminante de Omã, o Jebel Salam (Montanha do Sol, em português), com 3.020 metros. O maciço montanhoso estende-se por 680 km. Sua altura chega a perto de 3.000 metros. Ao norte deste maciço, encontra-se a planície costeira de Al-Batinah, com 300 km de comprimento e uma largura de 30 km. Seu terreno fértil é usado intensivamente para a agricultura: é onde encontram-se as cidades mais populosas e mais importantes do sultanato. Ao sul da cadeia montanhosa, as amplas dunas de areia encontram-se em direcção sudoeste até que se encontram com a região montanhosa de Dhofar e o maciço de Qara,onde encontra-se a grande capital provincial de Salalah, que é importante.

Clima e melhor época para visitar:
No Omã há duas zonas climáticas diversas. No interior do país, o clima dominante é o de deserto muito seco e na costa, um clima marítimo subtropical. Na maioria do território do país é quente e muito seco durante todo o ano. Para os visitantes europeus, os meses mais apropriados são Outubro e Março, visto que nestes meses as temperaturas são mais suportáveis e não superiores a 30° C. Nestes meses não há uma grande umidade do ar.

Idioma:
O idioma oficial é o árabe. Nas grandes cidades e nas localidades praianas, compreende-se também o inglês. Mas algumas palavras e frases em árabe podem ser muito bem recebidas, pois abrem não somente portas, mas também corações.

Saúde, vacinação e segurança
:
Boletins de Vacinação só são exigidos de visitantes que provenham de zonas de infecção, reconhecidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Recomendamos, no entanto, a vacinação contra a hepatite A, tifo, poliomielite, difteria e tétano. Fora de Mascate, os serviços de assistência médica não são comparáveis aos padrãos europeus de qualidade. É importante possuir um seguro de saúde válido em todo o mundo e que assegure explicitamente a repatriação do Omã ou a transferência para um outro país, em casos de emergência. Além disto, recomendamos o consumo de água engarrafada; os frutos devem ser descascados e as verduras e legumes deverão ser cozidos. Visto haver perigo de infecção, deve-se portar também um pequeno kit de remédios consigo, bem como protecção contra a exposição solar. Atenção também ao facto de que o porte e o comércio com drogas no Omã são severamente punidos. Desde 1999 estes crimes são punidos com a sentença de morte. Também é proibida a introdução de alimentos frescos, especialmente productos suínos. Além disto, a polícia, militares e postos fronteiriços não devem ser fotografados.

Entrada no país
:
Os cidadãos nacionais deverão apresentar o seu passaporte com validade mínima de seis meses para a emissão do visto de turista. Actualmente, o visto é válido por seis meses a partir da data de emissão, mas por um mês a contar da data de entrada no país. Sua emissão pode ser feita junto às representações diplomáticas osmanianas, nos postos de entrada no país (por terra, ar ou água) e junto à Direcção Geral de Passaportes e Residência ou em um comando regional de polícia e sob a responsabilidade de terceiros (operadora ou agência de turismo, hotel nacional operando em Omã, companhia aérea operando voos directos ao Sultanado). A solicitação será processada no mesmo dia. Para maiores informações a respeito de recentes determinações legais quanto à vacinas, entrada e segurança, informe-se junto ao consulado ou no seguinte enlace: http://www.secomunidades.pt/web/guest/listapaises/ ou http://www.omanet.om/english/useful/visa_new.asp?cat=use

Chegada e prosseguimento da viagem:
Muitas grandes companhias aéreas internacionais têm o sultanado como destino. Actualmente, de Lisboa (LIS) há voos oferecidos pela Swiss International (LX) via Zurique (ZRH); pela Lufthansa (LH) em codeshare com a Qatar Airways (QR) via Frankfurt (FRA) e Doha (DOH); pela TAP Air Portugal (TP) em codeshare com a Emirates (EK) via Londres-Heathrow (LHR) e Dubai (DXB); pela British Airways (BA) em codeshare com a Oman Air (WY) via Londres-Heathrow (LHR); pela TAP Air Portugal (TP) em codeshare com a Virgin Atlantic (VS) via Londres-Heathrow (LHR) e Dubai (DXB). A Oman Air (WY) oferece também boas ligações entre Mascate e Salalah (SLL), Sur (SUH), Khasab (KHS), Masirah (MSH) e Thumrait (TTH).

Capital:
A capital, Mascate, tem apenas 60.000 habitantes. Mas em sua região metropolitana habitam mais de 900.000 mil pessoas. Esta cidade foi possessão portuguesa entre 1507 e 1650 e tinha uma posição comercial estratégica no Oceano Índico. Mascate é bem protegida, pois está diante de montanhas bem altas e possui ainda uma grande importância para o comércio de petróleo e com o olíbano omaniano muito procurado, pois é considerado como o melhor em todo o mundo. O testemunho do período colonial que durou 150 existem agora poucos edifícios, tais como, por exemplo: as duas fortalezas bem conservadas Mirani e Jatali, do século XVI. A moderna Mascate é uma cidade governamental e plena de palácios, com grandes parques e grandes zonas verdes. Em vão procuram-se traços orientais: todo o mercado árabe e o bairro residencial na parte interna da cidade desapareceram completamente. Entre as atracções turísticas de Mascate estão a mesquita Sultão Qaboos, a mesquita Ali, o palácio do sultão e as praias maravilhosas de Qurum, Bandar Al-Jissar e Yeti. Quem procura as maravilhas das “1.001 noites”, encontra-las-á em Matrh: ali existem mercados árabes muito vivazes, onde o visitante sentirá os aromas dos perfumes do oriente.

Atrações turísticas e praias:
Ótimos praias límpidas convidam ao banho nas costas verdes de Omã de Al-Batinah. De Mascate pode-se ali chegar rapidamente pela auto-estrada moderna. Toda a faixa costeira oferece burgos, palácios e antigas cidades em oásis, que atrái muitos turistas devido à sua arquitectura islâmica. Especialmente belo e digno de nota são as cidades-oásis de Rustaq, Al-Hazm e Nakhl, bem como a cidade portuária de Sohar, que também é considerada como a cidade natal de Simbad, o marujo.

É também interessante o enclave de Musandam no Estreito de Hormuz, conhecida como a “Noruega da Arábia” por causa de seus fiordes. Entrementes, a infraestrutura turística está bem desenvolvida devido à sua boa posição e ao seu potencial económico. O relevo é muito escarpado e pouco habitado e oferece férias inesquecíveis em seus fiordes, que podem ser explorados com barco ou com os tradicionais dhows (barcos a vela tradicionais árabes).

O maior centro turístico está ao sul do país, na ampla costa verde de Dhofar. Ali os habitantes dos outros estados do golfo, atormentados pelo calor refrescam-se durante o verão. O clima na costa é mitigado pelas monsões indianas e já na Idade Média ér um posto de intercâmbio de mercadorias como a mirra e o olíbano. Ali está também a cidade portuária de Salalah, sob protecção da UNESCO, pois ali encontra-se o túmulo da legendária rainha de Sabá.

Imperdível:
No interior do país, pela auto-estrada para a cidade de Nizwa, abre-se ao visitante uma paisagem inimaginável do deserto arenoso de Rub al-Chali. Nizwa é, desde a Idade Média a capital secreta em oposição a Mascate, que é uma cidade aberta ao mundo. Esta cidade abriga um enorme castelo de defesa que foi construído durante a guerra contra os portugueses. A altura desta construção é apenas superada pelo minarete e pela cúpula central em azul e dourado da Jamia Majid. Nizwa também tornou-se famosa por seus trabalhos de ourivesaria, que podem ser adquiridos por preços mais económicos do que em Europa. Também deve-se mencionar o oásis de Bahla, ao oeste de Nizwa, onde encontra-se a fortaleza de Hisn-Tamah, feita em argila. Esta fortaleza, sob protecção da UNESCO, é a maior em todo o sultanato e possui ao todo 15 portões e 132 torres de defesa.

Religião:
O islão é a religião estatal no Sultanato, contudo outras religiões também são respeitadas devido à sua posição teocrática liberal. Cerca de 86% da população é praticante do islão sunita. Há uma minoria de cerca de 13% de hindus e também cristãos, budistas e judeus.

Cidades grandes e acomodação:
Sib, Salala, Matra, Bauschar, Sohar und As-Suwaiq.