Nova Zelândia (NZ)


A Nova Zelândia é um país insular ao sudoeste do oceano Pacífico, composto por duas ilhas principais e várias outras pequenas ilhas e uma área reclamada da Antárctica.

Geografia:
Ambas as ilhas principais neo-zelandesas encontram-se entre a Placa da Austrália e a do Pacífico, que pertencem ao cinto vulcánico de 2.500 km, a iniciar-se no Japão e a passar pela Indonésia e pelo oceano Pacífico. Mais de 60 % da superfície do país é dominado por cordilheiras e vulcões. Além isto, em ambos os lados das ilhas encontram-se inúmeros lagos de montanha e florestas tropicais densas. Na ilha do norte, que é menor, a paisagem é dominada por um terreno colinoso, ideal para pastagens. Este terreno colinoso eleva-se no centro da ilha, tornando-se uma cordilheira, cujo pico alcança alturas de 2.795 metros. E também são muito marcantes para a ilha do norte: as inúmeras fontes de águas térmicas, os vulcões activos e os gêisers - que tornaram-se uma atracção turística. A ilha do sul é dominada pelos Alpes do Sul que estendem-se por toda a ilha e seus picos, em grande parte, estão acima de 3.000 metros. Ao oeste deste maciço dominante há uma estreita faixa de terra coberta pela floresta tropical. Ao leste dos Alpes encontram-se vales e planícies férteis que são utilizadas pela pecuária e para plantação de vinhos. Finalmente, no extremo sul da ilha, encontra-se também a região dos fiordes, com muitas cascatas altas e lagos com águas cristalinas, que atraem muitos visitantes.

Montanhas e rios
:
O Mount Cook é a maior montanha da Nova Zelândia, com 3.764 metros, na ilha do Sul. É simultaneamente a maior elevação de toda Oceania. A maior elevação da ilha do Norte é o Mount Ruapehu, com 2.800 metros, no parque nacional de Tongariro. É um estratovulcão activo, considerado sagrado pelos Maoris. Cerca de 20 km mais ao norte está o lago de Taupo, com 195 km de comprimento e 185 metros de profundidade. É o maior lago da Nova Zelândia e muito apreciado principalmente por pescadores devido ao grande número de trutas. O Waikato é o maior rio da Nova Zelândia, com 425 km. Ele, também encontra-se na ilha do norte e nasce da confluência de várias fontes nas encostas do Monte Raupehu.

Clima e melhor época para visitar:
Devido à sua topografia, o clima na Nova Zelândia é muito diversificado. No extremo norte, por exemplo, o clima é marcadamente subtropical e oferece boas opções de banho entre Dezembro e Março. Mais para o sul, o clima torna-se mais frio. É um clima mais temperado, onde há queda de neve na primavera e no outono, determinado pela proximidade dos Alpes. O extremo sul, na região dos fiordes, o clima é muito frio e apresenta alta pluviosidade e sua floresta tropical é conhecida por ser fria. Deve-se mencionar também que o clima nas duas ilhas principais da Nova Zelândia é influenciado primordialmente pelos temíveis „Roaring Forties“. Visto o país estar a 37 e a 47 graus de latitude sul há nesta região um constante vento. Especialmente em sentido oesta, pode-se tratar de uma brisa quente ou de uma tempestade com ventos frios.

Idioma:
O idioma oficial é o inglês. Mas os nativos utilizam também o maori.

Saúde e vacinação:
Recomenda-se a vacinação contra hepatite A, tifo, poliomielite, difteria e tétano. Aconselham-se igualmente roupas que cubram todo o corpo e repelentes contra moscas e insetos que transmitem enfermidades viróticas. Na Nova Zelândia não há perigo de contracção de malária. Na Nova Zelândia há a taxa mais alta de radiação ultravioleta do planeta. Por tanto, banhos de sol exagerados sem a devida protecção podem levar a lesões irreparáveis. Para evitá-lo deve-se portar um protector com filtro solar factor 20. Em todas as grandes cidades estão assegurados bons serviços de assistência médica. É importante possuir um seguro de saúde válido em todo o mundo e que assegure explicitamente a repatriação da Nova Zelândia em casos de emergência.

Entrada no país:
Os cidadãos nacionais deverão apresentar apenas seu passaporte com validade mínima de seis meses. Actualmente não há exigência de visto de turista. À sua chegada, o visitante receberá um carimbo em seu passaporte com validade de 3 meses, que poderá ser prorrogado eventualmente no local. Aos visitantes com menores de idade, recomendamos que estes estejam munidos com seu passaporte individual com fotografia. O menor poderá entrar no país também se estiver inscrito no passaporte de um dos genitores que o acompanhe.
Para maiores informações a respeito de recentes determinações legais quanto à vacinas, entrada e segurança, informe-se junto ao consulado ou no seguinte enlace: http://www.secomunidades.pt/web/guest/listapaises/ ou http://glossary.immigration.govt.nz/VisaFreeCountries.htm

Chegada e prosseguimento da viagem:
Para a Nova Zelândia há voos diários de quase todas as grandes companhias aéreas que operam internacionalmente, tais como: Air New Zealand (NZ), Quantas (QF), Lufthansa (LH) ou British Airways (BA) que operam em codeshare com outras companhias aéreas, como a TAP Air Portugal (TP). Os seguintes aeroportos neozelandeses são servidos: Auckland (AKL), Christchurch (CHC) e Wellington (WLG). A partir de Lisboa, por exemplo, voam a TAP Air Portugal (TP) em codeshare com a Air New Zealand (NZ) via Londres (LHR) para Auckland (AKL); a British Airways (BA) via Londres (LHR) e Los Angeles (LAX) também para Auckland (AKL); a TAP Air Portugal (TP), a TAM Meridional (JJ), a Aerolíneas Argentinas (AR) via São Paulo (GRU) e Buenos Aires (EZE) para Auckland (AKL); a TAP Air Portugal (TP) e British Airways (BA) via Frankfurt (FRA), Sydney (SYD); a TAP Air Portugal (TP) e Qantas (QA) via Frankfurt (FRA) e Sydney (QF). Há voos domésticos neozelandeses para Alexandra (ALR), Gisborne (GIS), Rotorua (ROT), New Plymouth (NPL) ou Whakatane (WHK) oferecidos pelas filiais da Air New Zealand e pela companhia aérea privada Origin Pacif Airways (QO).
Uma possibilidade económica para visitar e explorar as ilhas paradisíacas do Pacífico Sul é com o passaporte aéreo „Visit South Pacific“ das seguintes companhias aéreas: Quantas (QF), Air Caledonie (TY), Air Nauru (ON), Air Niugini (PX), Air Pacific ( FJ), Air Vanuatu (NF ), Polynesian Airlines (PH ) bem como Solomon Airlines (IE ) que é válido na Austrália, Nova Zelândia e no Pacífico Sul. Este passaporte permite que os seguintes destinos sejam servidos: Sydney, Brisbane, Melbourne (MEL), Wellington (WLG ), Auckland (AKL), Christchurch (CHC) e os vários aeroportos das ilhas Cook, das ilhas Fiji, em Nauru, Nova Caledónia, Samoa, Taiti, Tonga e Vanuatu. Este passaporte, muito vantajoso e flexível, é válido somente em combinação com um bilhete internacional. O passageiro deverá comprar este passaporte (2 e 8 bilhetes, no máximo) antes da chegada no Pacífico Sul. É recomendável evitar principalmente a reserva prévia de determinados destinos durante o período de férias principal no Pacífico Sul.

Capital:
A capital da Nova Zelândia, Wellington, encontra-se na ponta sul da North Isle (ilha do norte). Em sua zona metropolitana a cerca de 370.000 habitantes. A cidade é o centro político e cultural da Nova Zelândia e, devido às suas duas universidades, possui uma atmosfera muito jovem que espelha-se na vida nocturna. Segundo um estudo, Wellington é a terceira cidade com o melhor nível de vida do Hemisfério Sul. Outras atracções de Wellington são, principalmente, os edifícios do parlamento, o jardim botânico, a catedral gótica de Old St. Paul, bem como o Kelburn Hill, com 160 metros, que possui um teleférico e de cujo cimo pode-se avistar toda a cidade. Wellington também é um bom ponto de partida para excursões à ilhas em frente e à South Island (ilha do sul).

Atrações turísticas e praias:
A Nova Zelândia possui uma diversidade rara e única em belezas naturais, tais como: montanhas-geleiras, florestas tropicais frias e praias enormes e solitárias.

Na North Island (Ilha do Norte), por exemplo, na Bay of Plenty encontra-se a camada mais fina da terra, onde dão-se todas as actividades geo-termais. Aqui também está a conhecida cidade de Rotorua. É conhecida por seus inúmeros gêisers e sua fontes termais, que são muito apreciados pela população local. O parque nacional de Tongariro, protegido pela UNESCO, ao norte, também merece ser visitado. Ele possui as maiores montanhas da Nova Zelândia: Tongariro, Ngauruhoe e Mount Raupehu, muito procuradas no inverno por oferecerem excelentes condições para esquiar. É também interessante a Twin Coast Discovery Highway, ao longo da costa norte de Auckland via Bay of Island, na qual há praias maravilhosas com areias negras; e também ideais para excursões ao interior: por exemplo ao Northland Forest Park (Parque Florestal de Northland). A cidade de Tauranga também oferece excelentes possibilidades para um banho de mar na Bay of Plenty, no oceano Pacífico. Tauranga é um balneário moderno, que desenvolveu-se rapidamente por causa do clima temperado, das praias maravilhosas e oferece acomodação em todas as categorias de preços.

A South Island (Ilha do Sul) é a maior das ilhas principais, mas possui uma população muito menor devido às condições climáticas. Ao norte desta ilha, merece ser visitado, principalmente, os fiordes de Marlborough Sounds, com maravilhosas baías e procurado por canoeiros, velejadores e pescadores. Não se deve esquecer também os três parques nacionais, nas imediações. E, principalmente, o parque nacional de Abel Tasman, declarado como património da natureza pela UNESCO. Este parque possui uma costa recortada e selvagem com extensas praias com areias douradas, águas cristalinas e colónias de focas selvagens. Esquiadores e snowboarders podem apreciar durante o inverno o parque nacional de Nelson Lakes. Mais ao sul, na costa ocidental encontra-se Christchurch, com cerca de 350.000 habitantes, também conhecida como „Garden City“ (cidade-jardim), a maior cidade da ilha do Sul.
As atracções principais de Christchurch são, entre outros, a catedral, ponto de orientação para os turistas; o parque Hagley; o museu de Canterbury; o jardim botánico; a icomum igreja de S. Miguel e Todos os Anjos; as construções em madeira neo-góticas, com estilos franceses, ingleses e maori. Uma outra possibilidade de conhecer as inigualáveis montanhas alpinas da Nova Zelândia é por comboio, a partir de Christchurch. A excursão com a Trans-Alpine Express com Christchurch pelo Passo de Arthur, acima, para os alpes e, depois, abaixo, para a costa ocidental. A pequena aldeia no Passo de Arthur é um ponto ideal à saída para excursões e escalada no parque. O parque nacional de Mount Cook oferece também excelentes oportunidades para esquiar e practicar o snowboard. Ali também é especialmente interessante e inesquecível a vista ao Glaciares da Tasman, o maior glaciar fora do maciço do Himalaya. Finalmente, bem ao sudoeste, encontra-se ainda a região mágica dos fiordes, uma reserva natural onde há várias estradas acompanhadas por lagos intocados, florestas tropicais e uma costa incrível. A trilha mais conhecida é Milford Walking Track, que começa perto de Te Anau e segue até ao fiorde, localizado a norte, de Milfort Sound, onde pode-se ver pinguins dos fiordes, focas e até, com muita sorte, também baleias e golfinhos.

Religião
:
Mais de 70% dos neo-zelandeses são cristãos; cerca de 24% são oateus. Além disto, há um minoria de judeus, budistas, hinduístas e muçulmanos.

Cidades grandes e acomodação
:
As maiores cidades na Ilha do Norte são Auckland, Hamilton e a capital de Wellington, Christchurch e Dunedin, na Ilha do Sul.