Laos (LA)


O Laos é como um país-tampão entre seus grandes e populosos vizinhos: China, Vietname, Camboja, Tailândia e Mianmar. Desde 1975 é governada pelo Partido Comunista Revolucionário.

Geografia:
O relevo lao é muito montanhoso, tropical e recoberto pela selva tropical, a excepção da planície de inundação do Mekong, que percorre toda a fronteira com a Tailândia. É um país relativamente pouco povado e seu terreno é muito apropriado a excursões de trekking, mas nalgures é permitido acampar durante à noite.

Montanhas e rios
:
O Phu Bia, com 2820 metros, é o ponto culminante do país, no maciço das Annamitas. O rio mais longo e mais importante, graças ao seu terreno aluvial fértil, é o Mekong, que tem cerca de 1.800 km. O Mekong atravessa todo o país e constitui uma fronteira natural com a Tailândia e o Mianmar. O rio também é o meio de transporte principal do país e oferece aos visitantes recém-chegados um cruzeiro fluvial, durante o qual poderão habituar-se comodamente ao calor do clima tropical. Às margens do Mekong encontram-se as grandes cidades pitorescas de Vientiane e Luang Prabang, que também são conhecidas como as cidades dos mil templos e que apresentam um grande número de obras artísticas e arquitectónicas tradicionais.

Clima e melhor época para visitar:
No Laos, o clima é quente, tropical e de Monções. Mas as temperaturas dependem da altitude e podem ser muito diversas. O melhor período para uma visita é entre Novembro e Abril, pois nestes meses chove menos e as temperaturas diurnas não são elevadas como durante as outras estações. Praticar o montanhismo é possível ao final de Junho, visto que o clima na montanha é agradável na primavera. A estação das chuvas é como nos países vizinhos, entre Junho e Outubro, durante este período, devido à elevadas precipitações e da extremamente alta humidade de ar, as estradas podem tornar-se intransitáveis, obrigando a população a salvar-se em numerosas embarcações. Também o Mekong, que a artéria vital do país e a principal via de transporte, sobe a cerca de 15 metros, durante o período das Monções.

Idioma:
O idioma oficial do país é o laociano. Além deste idioma, existem muitos outros falados por tribos. Nas grandes cidades e localidades, também são compreendidos o francês, o inglês, o vietnamita e o chinês-han.

Saúde, vacinação e segurança:
Boletins de Vacinação só são exigidos de visitantes que provenham de zonas de infecção, reconhecidas pela Orgaanização Mundial de Saúde (OMS). Durante todo o ano há grande possibilidade de contracção de enfermidades transmitidas por água contaminada ou malária.Os serviços de assistência médica não são comparáveis aos padrãos europeus de qualidade e quantidade. É importante possuir um seguro de saúde válido em todo o mundo e que assegure explicitamente a repatriação do Laos ou a transferência para um outro país, em casos de emergência. Aconselhamos o uso de roupas que cubram todo o corpo e repelentes contra moscas e insetos que transmitem enfermidades viróticas. Alertamos quanto ao contacto sexual, pois as taxas de infecção de HIV são altas no Laos. É mister que os visitantes motorizados usem capacete protector, pois a taxa de acidentes no país é igualmente alta, pois muitos laus guiam a alta velocidade por estradas em péssimas condições, durante a noite e feriados em estado alcoolizado. E, no caso de acidente, independentemente da culpa, o turista arca com todos os custos. É importante possuir um seguro de saúde válido em todo o mundo e que assegure explicitamente a repatriação do Laos e a transferência para um outro país, em casos de emergência. Além disto, recomendamos o consumo de água engarrafada; os frutos devem ser descascados e as verduras e legumes deverão ser cozidos. Visto haver perigo de infecção, deve-se portar também um pequeno kit de remédios consigo.

Entrada no país:
É necessário visto. O visto pode ser obtido à entrada neste país. Os cidadãos portugueses que pretendam deslocar-se ao Laos devem ser portadores de passaporte cujo prazo de validade mínimo seja, à data de entrada no país, de 6 meses. O visto pode ser obtido à chegada no aeroporto de Vientiane, Luang Prabang ou Pakxe. Os visitantes menores de idade deverão estar munidos com passaporte individual e fotografia. É extremamente importante que o cidadão certifique-se que o passaporte seja carimbado à entrada no país, pois do contrário, ao sair haverá dificuldades consideráveis que comportam detenção e altas penas. Para outras informações, dirija-se ao seguinte enlace: www.laoparis.com ou Embaixada do Laos - Morada: 74, Ave. Raymond
Poincaré - 75116 Paris / Tel.: 003 314 553 029 8 / Fax: 003 314 727 578 9 / Horário: das 09.00 às 17h00
E-mail: ambalaoparis@wanadoo.fr

Chegada e prosseguimento da viagem:
De Portugal, actualmente, não há voos directos para o Laos. De Lisboa (LIS), há boas conexões oferecidas pela Lufthansa (LH) em codeshare com a LTU (LT) e a Thai Airways International (TG) via Munique (MUC), Banguecoque (BKK) até ao Vientiane (VTE), que está somente a 4 km do centro cidade; pela KLM (KL) em codeshare com a Thai Airways International via Amsterdão (AMS) e Banguecoque (BKK); pela British Airways (BA) via Londres-Heathrow (LHR) e Banguecoque (BKK); pela KLM (KL) em codeshare com a China Airlines (CI) e a Thai Airways International (TG) via Amsterdão (AMS) e Banguecoque (BKK). Também há a possibilidade de voar com a companhia aérea lau Lao Airlines (QV) de Banguecoque (BKK) ou Hanói (HAN). Esta possibilidade é especialmente interessante para viajantes que tenham uma conexão para Luang Prabang (LPQ) ou para Pakxe (PZK).


Capital:
Vientiane (também chamada Vieng Chan), a capital do Laos está na parte norte do país, em meio a uma paisagem verdejante, às margens do Mekong. Em sua região metropolitana vivem cerca de 600.000 habitantes. A cidade, a menor capital do Sudeste Asiático, ainda possui o charme francês colonial e é chamada a Paris do Oriente. A construção mais conhecida do período colonial é o Monumento aos Mortos que lembra o Arco do Triunfo, em Paris. Em Vientiane encontra-se a Phat That-Luang (a maior stupa budista do país) construída no século XVI sobre as ruínas de um antigo templo khmer no século XIII. Recomendamos especialmente uma visita ao complexo religioso, pois a cúpula dourada reluz com a luz do sol. Esta stupa real liga o budismo ao laoísmo e é um símbolo de consciência do Laos. Supostamente, o templo guarda um fragmento de osso do Buda, o que ainda não foi provado cientificamente. Também é muito interessante o antigo templo real de Wat Ho-Prakeo: ali estava em seu interior uma preciosa estátua de buda em jade, que ainda hoje pode ser admirada em Bangkok. Actualmente, este templo é o museu nacional, com uma colecção impressionante de estátuas, biombos em madeira entalhada e antigos escritos sagrados. Outra atracções são ainda os Laos Revolutionary Museum e o mercado noturno que abre a partir das 18 horas, onde pode-se adquirir praticamente tudo. Mas vale a pena um passeio, mesmo que não se deseje comprar nada.

Atrações turísticas e praias:
O Laos é um país sem saída para o mar. Portanto, não há praias. O país é só interessante para os interessados em natureza e cultura. Ao contrário da Tailândia ou Vietname, o Laos permaneceu em grande parte intocado pelas vagas de turistas. Com isto, não existe uma boa infra-estrutura turistica. Este país, em comparação aos seus vizinhos, é uma dica de insiders. Mais de 80% dos seis milhões de laus vivem da agricultura em aldeias.

Luang Prabang, na confluência entre o Mekong e o Nam Kan é a terceira maior cidade do país e foi a primeira capital do reinado lau até 1545. Esta localidade abriga a maioria dos templos budistas e, actualmente, é o centro turístico e cultural do país. Luang Prabang, além de Vientiane, também possui um aeroporto internacional, que está a cerca de 3 km ao nordeste da cidade. É o destino de muitos turistas. Da rocha Phu Si, de 130 metros de altura, tem-se uma vela vista sobre os 32 templos e sobre os tetos das casas. No sopé do Phu Si tem lugar o mercado noturno. Toda a cidade foi declarada património da humanidade e fascina pela arquitectura tradicional e colonial. Entre as atracções turísticas mais importantes estão o museu do palácio real Ho Kham, onde encontram-se as relíquias nacionais mais conhecidas e o templo Wat Xieng-Thong que foi decorado com vidro e ouro, do século XVI. Fora de Luang Prabang, a cerca de 25 km de distância, no rio Mekong estão as famosas grutas calcárias de Pak-Ou, que são consideradas como sagradas pelos laus. Nestas grutas há mais de 1.000 estátuas de buda, com mais de 200 anos e são de diversos tamanhos.

O Sul, relativamente plano, é o celeiro do arroz do país. Ali encontra-se a segunda maior cidade lau. Entre as atracções turísticas oferecidas contam-se o museu Champa-Sak, no qual abrigam-se as relíquias de Wat-Phu. É um excelente ponto de saída para explorar as ruínas de Wat-Phu de Champa-Sak, uma outra atracção turística do pequeno país do sudeste asiático. O complexo religioso de Wat-Phu, sob protecção da UNESCO desde 2001, é menor do que o famoso complexo de Angkor Vat, mas mais antigo. É o santuário mais importante dos laus, fora do país. Um outro destino no sul é o planalto de Bolaven, onde pode-se fazer trekking e safaris com elefantes. Toda essa região é muito fértil e abençoada com muitas cascatas.

Imperdível:
Uma atração particular e uma visita obrigatória para todos os excursionistas são as cavernas, próximas de Vang Vieng. As cavernas estão a cerca de 5 horas de distância de Vientiane, a meio caminho para Luang Prabang e são consideradas as mais importantes do Laos. As cavernas oferecem com suas águas claras como cristal, boas possibilidades para um banho e são tão grandes que somente podem ser visitadas com barco a motor. Na aldeia próxima existem praticamente somente pensões, restaurantes e organizadores de excursões. É um verdadeiro paraíso de viajantes. A atracção especial de Vang Vieng é o “tubing”: com uma câmara de ar de camião, o visitante desce pelas águas do rio Xong e a cada 200 metros poderá parar em uma das inúmeras cervejarias, torres com trampolim ou discotecas ao ar livre.

Religião:
A população lau está muito ligada ao budismo. Mais de 60% praticam o budismo teravada e os 40% restantes praticam culto aos antepassados ou xamanismo.

Cidades grandes e acomodação:
Vientiane, Pakxe, Luang Pranbang,Savannakhet, Sam Neua und Sayaboury.