Chade (TD)


  • Land Chade
  • Continente: África
  • Área: 1,284,000 km²
  • Habitantes: 10,329,208
  • Capital: N'Djamena
  • Código ISO: TD
  • Idioma oficial: francês, árabe
  • Prefixo: +235
  • Moeda: franco CFA
  • Matrícula automóvel: TD
  • Rotas de Chade: 278
  • Rotas para Chade: 258
  • Aeroportos mais procurados: N'Djamena (NDJ), Moundou (MQQ), Abeche (AEH), Faya (FYT), Sarh (SRH)
  • Cidades grandes: N'Djamena, Moundou, Sarh, Abéché, Kélo, Koumra, Pala, Am Timan, Bongor, Mongo, Doba, Ati, Laï, Oum Hadjer, Bitkine

O Chade é um país sem saída para o mar, localizado no centro da África Setentrional. Condivide suas fronteiras com a Líbia, o Sudão, a República Centro-Africana, os Camarões e o Níger.

Geografie
:
No leste do país encontra-se a bacia do Chade, com o lago do Chade, que toma a maior parte de toda a superfície do país. Somente aqui o país possui uma rica fauna em uma natureza relativamente intocada. Acima desta bacia eleva-se levamente o planalto de Ennedi e Wadai. Ao norte do país encontra-se a cadeia do Tibesti no Saara, que tem origem vulcânica e, em grande parte, é formada por rochas íngrimes, com desfiladeiros profundos e largos vales. A característica especial é, principalmente, no norte a parte desértica com pedras, em que encontram-se aqui e acolá oásis férteis. Aqui está também o vulcão Emi Koussi, com 3.415 metros de altura. É a maior montanha do Chade.

Montanhas e rios:
A maior montanha do Chade está no norte, em uma região vulcânica que extende-se ao Saara. No maciço de Tibesti é, simultaneamente, também as maiores montanhas do Saara e compõe-se planícies arenosas, formadas pelo ventos alísios. Ao sudoeste deste maciço está o maior vulcão, o Emi Koussi, com 3.415 metros de altura. Outros vulcões altos nesta região, provavelmente a mais inóspita do planeta, são: o Tarso Woon, com 3.100 metros e o Tarso Toon, com 2.626 metros.

O rio mais longo do país é o Chari, com 1.400 km. É o rio principal do lago do Chade e nasce na República Centro-Africana e flui em sentido norte. Seu comprimento total no território do Chade é de cerca 1.200 km. O lago do Chade está no sudoeste do país e é o maior lago da parte norte-africana. O lago forma a fronteira entre o Níger, a Nigéria e os Camarões.

Clima e melhor época para visitar:
Ao sul do Chade domina todo o ano um clima tropical e húmido com temperaturas que variam a depender da região. O norte, em contra partida, está em uma zona continental seca e é dominado pelo clima de deserto, que apresentar variações extremas de temperatura. O Chade possui dois períodos de chuvas: no sul, o período de chuvas dura desde o início de maio até meados de outubro; no interior, de Junho até Setembro. O melhor período para visitar o Chade é no «inverno», isto é, entre Dezembro e meados de Fevereiro. Durante o dia, neste período, por causa do Harmatão (vento do deserto) é levamente ventoso e com temperaturas médias de 30° C. Durante o período de chuvas, muitas estradas em certas regiões do país são impassáveis.

Idioma:
O idioma oficial é o árabe do Chade e o francês. O árabe do Chade é um dialeto também usado em muitas partes dos Camarões, da República Centro-Africano, no Níger e também na Nigéria. Ao norte do Chade, este dialecto também é muito falado; no sul, não. Ali é falado o Chade-Sara. Este idioma pertence à família linguística do Chade. No Chade são faladas mais de 200 idiomas regionais e dialectos, que organizam-se em algumas famílias linguísticas, entre outras: línguas sudanesas, línguas chadianas e línguas saarianas. Para viagens e descobertas do interior do país é importante o conhecimento de francês, visto não haver tradutores profissionais a todo tempo e a maioria da população tem conhecimento de francês.

Saúde e vacinação: Recomenda-se a vacinação contra hepatite A, tifo, poliomielite, difteria e tétano. Recomendam-se igualmente roupas que cubram todo o corpo e repelentes contra moscas e insetos que transmitem enfermidades viróticas. Somente na capital N'Djamena estão assegurados serviços de assistência médica. No interior do país, os serviços de assistência médica não é suficiente e, por exemplo, no norte não existe. Há a possibilidade de alta concentração de malária durante todo o ano e em todas as partes do país. Por favor, informe-se, atempadamente, junto ao seu médico de família sobre possíveis profilaxias da malária. É importante possuir um seguro de saúde válido em todo o mundo e que assegure explicitamente a repatriação do Chade em casos de emergência. Além disto, recomendamos o consumo de água engarrafada; os frutos devem ser descascados e as verduras e legumes deverão ser cozidos. Visto haver perigo de infecção, deve-se portar também um kit de medicamentos consigo.

Entrada no país:
É obrigatório o visto de entrada no Chade. As autoridades do Chade solicitam a apresentação do boletim de vacinas à entrada do território. As deslocações fora da capital estão sujeitas a uma autorização emitida pelo Ministério do Interior. Os cidadãos nacionais deverão apresentar para a emissão do visto de turista: passaporte com validade mínima de seis meses. O visto deverá ser requerido antes do início da viagem, na Secção Consular da Embaixada do Chade. O visto é válido no máximo por 3 meses e apenas para N'Djamena.
Para maiores informações a respeito de recentes determinações legais quanto à vacinas, entrada e segurança, informe-se junto ao consulado ou no seguinte enlace: http://www.primature-tchad.org/index.php?option=com_content&view=article&id=23&Itemid=11

Chegada e prosseguimento da viagem:
Atualmente, não há conexões directas a partir de Lisboa (LIS). Há tão somente voos com escalas oferecidos pela Air France (AF), pela Northwest Airlines (NW), pela KLM (KL) via Paris (CDG), Amsterdão (AMS). Os voos domésticos são operados somente pela Toumaï Air Tchad. Momentaneamente, esta companhia oferece apenas 3 conexões: para Moundou (MQQ), para Sarh (SRH) e para Abéché (AEH).

Capital:
A região metropolitana de N'Djamena, com mais de 1,5 milhões de habitantes, é a maior cidade do país. A capital possui duas partes urbanas diversas: uma européia, onde encontram-se também as autoridades administrativas e de segurança do país; e outra, africana, muito vivaz. Na parte africana encontram-se também a maioria das atracções turísticas, entre as quais: a cidade velha, o mercado diário e o museu nacional, onde estão objectos da cultura Sar, do século IX.

Atrações turísticas e praias: Antes de partir para descobrir o Chade e suas atracções, é importante requerer uma permissão em cada prefeitura. Em via de regra, já no aeroporto pode-se solicitá-la ao entrar no país. Tem-se que observá-lo também ao viajar pelo país por causa da infra-estrutura fraca, o viajante deverá dirigir-se sempre à estação militar francesa e chadiana, pois somente ali há possibilidades de comunicação.

Merece ser visto no Chade, principalmente, o parque nacional de Zakouma, ao sul do país. O parque nacional está próximo à cidade de Sarh, que existe desde 1963. E ao todo o parque tem cerca de 3.000 km2 e abriga cerca de 44 diferentes mamíferos e 25 diferentes tipos de aves. A população de elefantes africanos ameaçados aumentou desde a guerra civil. Provavelmente vivam ali cerca de 4.000 elefantes. Actualmente, o governo do Chade procura tornar o parque nacional o património da humanidade na lista da UNESCO. A melhor época para visitar o parque nacional é entre Março e Abril, pois nesta época animais como girafas, elefantes, macacos, antílopes e leões reúnem-se nas margens dos rios para beberem água. Ali podem ser melhor observados. Tenha em mente que o parque nacional está fechado durante o período das chuvas, entre Junho e Outubro.

A atração turistica do Chade é, sem sombra de dúvida, o deserto de Ennedi no maciço de Tibesti, onde o deserto do Saara chadiano revela-se em todas as suas formas possíveis e imagináveis. O visitante deve esperar uma paisagem maravilhosa e inesquecível e, principalmente, em formas bizarras. É impressionante, especialmente a diversidade das rochas vermelhas que brilham durante o pôr-do-sol. Muitas pinturas rupestres são testemunhos silenciosos de antigas ocupações em uma zona verde à época. E ainda merece ser visitado no Ennedi os 12 lagos de Ounianga, dos quais 7 são cheios com água doce e onde dunas, palmeiras e inúmeras rochas brancas refletem-se nas águas do lago. No Ennedi também são interessantes os Gueltas: bacias de água doce, que provêm das fontes de água doce subterrâneas do deserto. Um dos gueltas mais impressionantes é o do Wadi Archai. É cercada por uma rocha imponente com 120 metro e, na parte mais posterior da garganta, encontram-se os últimos crocodilos do saara que alimentam-se basicamente de pequenos peixes. Pode-se observar bem estes crocodilos e a paisagem magnífica do Wadi em forma de W ao escalar-se as rochas.

Religião: Cerca de 50% de toda a população chadiana é muçulmana sunita. Cerca de 25% são cristãos e 25% são animistas.

Cidades grandes e acomodação
: N'Djamena, Moundou, Bongor, Sarh, Abéché e Doba.